Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Exposições

Apresentação  1964: A queda  1968: Cai o pano  Créditos

Entre 1964 e 1968, o Brasil viveu sob um regime de exceção em que ainda se acreditava que uma ditadura plena não seria estabelecida. Contudo, em 1968, o presidente Artur Costa e Silva editaria o instrumento mais draconiano que um governo republicano brasileiro jamais tivera ou viria a ter: o AI-5.

Ministro da Guerra de Castelo Branco e integrante do “Comando Supremo da Revolução”, Costa e Silva conseguiu impor-se como sucessor à presidência. Durante o ano de 1967, após a confirmação do seu nome, passou a agir quase como um candidato em campanha, viajando pelo país e comparecendo a cerimônias, tentando construir a imagem de um homem confiável, acessível, bonachão: “seu Artur”. Ao contrário do seu antecessor, Costa e Silva considerava a importância de um serviço de relações públicas como forma de aproximar o governo do povo, e a criação de uma Assessoria Especial de Relações Públicas (AERP) resultou, em parte, desta preocupação.

A instabilidade política acentuou-se ao longo de 1968. Passeatas nas ruas das grandes cidades, greves em Osaco (SP) e Contagem (MG), discursos contundentes de políticos como Carlos Lacerda e Marcio Moreira Alves — deputado do MDB/GB cujo discurso às vésperas do feriado da Independência foi considerado ofensivo às Forças Armadas — indicavam uma inquietação dos brasileiros, inclusive das classes médias que haviam inicialmente apoiado o golpe, em relação a um regime que ia muito mais longe do que se propusera.

O assassinato do estudante Édson Luís, em março, e a proibição da Frente Ampla — que reunia políticos de diversos matizes em prol da redemocratização — pareciam anunciar um ano em que a falsa tolerância seria deixada de lado. Se em sua posse, em março de 1967, Costa e Silva prometeu “respeitar o Legislativo”, em dezembro de 1968 o presidente não hesitou em usar a recusa do Congresso Nacional em permitir o processo contra o deputado Moreira Alves — por causa do referido discurso — como justificativa para decretar o Ato Institucional n. 5, fechando a Casa por tempo indeterminado.

Durante os anos seguintes, o uso do AI-5 e da “doutrina de segurança nacional” permitiriam cassações, suspensões de direitos políticos, atos de censura, prisões, torturas e assassinatos por motivos políticos, que passaram a ocorrer com a omissão dos governos e a despeito das denúncias e protestos em foros internacionais.

 

Galeria de imagens - 1968: Cai o pano

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fim do conteúdo da página