Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > A repressão > Cronologia órgãos de repressão
Início do conteúdo da página
A repressão

Cronologia órgãos de repressão

Envio em: Quinta, 24 de Novembro de 2016, 22h00 | Voltar à página anterior

Cronologia órgãos de repressão
1º de abril de 1964
- A sede da UNE, no Rio de Janeiro, é incendiada e tomada pelo governo militar, é destruído o acervo de CPC.
13 de junho de 1964 - o presidente Castello Branco (1964-1967) assinou a Lei 4.341, criando o Serviço Nacional de Informações.
27 de outubro de 1964 - o Congresso aprova o projeto Suplicy, que extinguiu a UNE.
25 de janeiro de 1967 - Criação do Conselho de Segurança Nacional.
9 de fevereiro de 1967 - Sancionada a Lei de Imprensa.
13 de março de 1967 - Promulgada a Lei de Segurança Nacional.
2 de maio de 1967 - o presidente Costa e Silva cria o Centro de Informações do Exército, diretamente subordinado ao ministro de Exército, com o objetivo de orientar, coordenar supervisionar todas as atividades de Segurança Interna e Contra-Informações.
28 de março de 1968 - Morre o estudante secundarista Edson Luiz Lima Souto com um tiro no peito disparado por um tenente da Polícia Militar durante manifestação no restaurante universitário Calabouço no Rio de Janeiro.
22 de novembro de 1968 - Criado o Conselho Superior de Censura.
1º de julho de 1969 - data oficial de criação da Operação Bandeirantes (Oban), na estrutura do 2º Exército, em São Paulo, passando a atuar na repressão à guerrilha urbana.
4 de novembro de 1969 - Carlos Marighella é assassinado pela equipe do delegado Sérgio Fleury.
Setembro de 1970 - A Oban é extinta e é criado o Destacamento de Operações de Informações, Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi).
1971 - Foram mortos Carlos Lamarca e Iara Iavelberg e o militante do MR-8, Stuart Angel é morto sob torturas na Base Aérea do Galeão no Rio de Janeiro.
Fevereiro de 1972 - São presos os primeiros integrantes da Guerrilha do Araguaia. Em diversas operações militares, o Exército elimina o foco guerrilheiro do PCdoB na região, deixando como saldo em 1974, setenta e nove mortos e desaparecidos entre guerrilheiros e camponeses.
25 de outubro de 1975
- Morre sob torturas nas dependências do DOI-Codi, o jornalista Wladimir Herzog. A versão oficial é suicídio por enforcamento.


registrado em:
Fim do conteúdo da página