Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Comissão da Verdade pede apoio para manutenção da democracia

Grupo que investigou violações de direitos humanos na ditadura teme retrocesso político e quer abertura de CPIs na ALMG.

07 de Abril de 2018 , 7:27 
Atualizado em 07 de Abril de 2018 , 7:29

Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), nessa quarta-feira (4/4/18), tem um objetivo claro: pedir apoio do Poder Legislativo para tentar impedir que os erros cometidos na história política recente do País voltem a ocorrer.

Entre os encaminhamentos propostos, está a abertura de várias Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) na Assembleia, uma delas para investigar o envolvimento de agentes de segurança pública em violações de direitos de trabalhadores rurais e de indígenas durante o período pesquisado pela Covemg (que vai de 1946 a 1988). Outra CPI apuraria a participação da antiga Ruralminas em grilagem de terras entre 1967 e 1988.

Os atos violentos de repressão cometidos por empresas como Usiminas e Mineração Morro Velho também devem ser objeto de CPI, segundo recomenda o relatório da Covemg, assim como as mortes de posseiros e trabalhadores rurais ocorridas em Unaí (Noroeste do Estado) a partir de 1985, que também estariam relacionadas com perseguições políticas.

O coordenador da Covemg, Robson Sávio Reis Souza, afirmou que conta com a ajuda da Assembleia para que o relatório da comissão não vire "peça de gaveta". Segundo ele, o monitoramento das ações propostas é tão importante quando o trabalho de pesquisa que foi feito. "As forças conservadoras estão sempre à espreita, à espera da oportunidade para novamente golpear a nossa fragilíssima democracia", ponderou.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Cristiano Silveira (PT), lembrou que a instalação de CPIs depende do presidente da ALMG e do conjunto de deputados, mas se comprometeu a encaminhar todos os pedidos de providências apresentados pela Covemg.

Comissão quer recursos para indenizar vítimas da ditadura

O relatório da comissão também pede aos deputados que, no momento de votação das peças orçamentárias, destinem recursos para ações de "memória e verdade", para pagamento de indenizações às vítimas da ditadura militar (1964-1985) e também verbas para instalar e fazer funcionar o Museu de Direitos Humanos.

Entre outros encaminhamentos, a comissão também espera o apoio da Assembleia para abertura de importantes arquivos que ainda não se tornaram públicos e o incentivo a entidades como Comissão Pastoral da Terra e sindicatos, para que organizem seus acervos de informações relativas ao período da ditadura. A Covemg também defende que monumentos, instituições e prédios públicos batizados em homenagem a pessoas acusadas de praticarem atos de tortura sejam renomeados.

Memorial – O projeto museográfico do Memorial de Direitos Humanos – Casa da Liberdade será lançado na próxima segunda-feira (9), às 14h30, no Palácio da Liberdade. A criação do espaço está prevista na Lei 13.448, de 2000, originada de projeto de autoria do deputado Rogério Correia (PT). O memorial vai funcionar na sede do antigo Departamento de Ordem Política e Social (Dops), na Avenida Afonso Pena, em Belo Horizonte. No entanto, ainda não há previsão de abertura para o público.

Declarações de militar preocupam comissão e deputados

A discussão sobre os desdobramentos do relatório da Covemg durou mais de três horas e foi permeada por ponderações sobre os rumos da democracia no Brasil, face à crise política instalada no Brasil e às ações judiciais envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os deputados Cristiano Silveira e Rogério Correia repudiaram as declarações feitas pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, pelo Twitter, e repercutidas pela Rede Globo de Televisão.

O general teria insinuado que as Forças Armadas poderiam intervir na cena política, para evitar a "impunidade no País", referindo-se ao julgamento do habeas corpus pleiteado pela defesa de Lula, no Supremo Tribunal Federal, na tarde desta quarta-feira (4). "Pelas regras do próprio Exército, ele não poderia se manifestar dessa maneira", ponderou o deputado Cristiano Silveira.

O deputado Rogério Correia leu nota divulgada pelas executivas nacionais do PT e do PSOL contra o que chamou de "campanha pró-militarismo" da Rede Globo. "O povo está convidado a ocupar as ruas hoje, novamente, em defesa da democracia", disse.

De acordo com a nota do PSOL, a situação vivida hoje no país é de uma escalada de violência política como nunca vista, desde a época da ditadura. "Se antes dizíamos que as togas haviam substituídos os canhões, agora vemos que os canhões estão de volta", complementou Robson Sávio.

O representante da Comissão da Verdade dos Trabalhadores de Minas Gerais, grupo criado para divulgar o relatório da Covemg entre os metalúrgicos, Oraldo Paiva, ressaltou a importância de contar aos jovens o que aconteceu no passado recente do País. Na opinião dele, ainda há muitos resquícios da ditadura enraizados na cultura brasileira. "Exemplo disso é o fato de um general se sentir no direito de ir a público ameaçar o Supremo", disse.

Um dos estudantes que acompanhou a audiência, Glauberth Reis, da União Colegial de Minas Gerais, acredita que a recente retirada de matérias como sociologia e filosofia dos currículos escolares no País é uma prova de que o atual governo atua como na época do regime militar.

Fonte: Comissão da Verdade de Minas Gerais (COVEMG), 07/04/2018

Disponível em: http://www.comissaodaverdade.mg.gov.br/index.php/component/gmg/story/4419-comissao-da-verdade-pede-apoio-para-manutencao-da-democracia-grupo-que-investigou-violacoes-de-direitos-humanos-na-ditadura-teme-retrocesso-politico-e-quer-abertura-de-cpis-na-almg 

registrado em:
Fim do conteúdo da página